Os Primos da América, de Ferreira Fernandes

«Em 1965, Aurélio Ferreira deixou São Miguel para o Canadá. Em Montréal viveu sete anos. Juntou-se depois à família, entretanto vinda para Boston. Trabalhou para a TAP, no catering do aeroporto Logan. Entrou para a Boston Police Academy, em 1978, e foi o primeiro português que lá cursou. […]
Aurélio Ferreira ganhava quarenta e dois mil dólares por ano, tinha um mês de férias e direito a uma placa dentária e dois pares de óculos por ano, gratuitos. No caso de morte, em serviço, cem mil dólares; quarenta e cinco mil, se fosse fora de serviço. Se ficasse incapacitado recebia o ordenado por inteiro e sem descontos. A reforma era aos 55 anos.
Mostrou-me uma foto de quando era vocalista dos Ases do Ritmo, calças brancas, casaco aos quadrados e camisa aberta. Agradava-lhe o convívio de vedetas. Mostrou-me outras fotos com personalidades, a quem guardou as costas quando passaram por Boston: Mota Amaral, Mário Soares, Jerry Lewis e Chuck Norris. E ainda outra com um bostoniano célebre, Ted Kennedy.
No quintal, onde a luz entre ulmeiros já era dourada e vermelha, disse-me que ia fazer uma piscina para os miúdos.»

FERNANDES, Ferreira, Os Primos da América, Tinta-da-China, 2012, pp. 188-191