‘il ritorno in patria’, do livro “Vertigens. Impressões”, de W. G. Sebald

vertigens impressões sebald“Há uns bons trinta anos que vinha a W. Embora, ao longo desse tempo todo – um tempo longo como nenhum outro para mim – muitos dos lugares ligados a W., como o Alpachmoos, a floresta da paróquia, a alameda que leva a Haslach, a central hidroeléctrica, o cemitério dos pestíferos, em Petersthal, ou a casa do corcunda Dopfer, no Schray, surgissem recorrentemente nos meus sonhos e devaneios e me parecessem por isso mais reais do que antes, esta aldeia onde chego a horas tardias é-me muito mais estranha do que outro lugar qualquer em que possa pensar. Em certo sentido, senti-me mais tranquilo ao constatar, na minha primeira ronda pelas ruas à luz pálida dos candeeiros, que tudo estava profundamente mudado.

W. G. Sebald, “Vertigens. Impressões”, Tradução de Telma Costa, Editorial Teorema, 2007 (pp. 143-144).